Visite o Portal Futuro HoRa
logo

Série HoRa

Melhoramento Genético

Pensando nas necessidades dos  pecuaristas na hora de melhorar o rebanho, a HoRa se propôs um desafio: ajudar a reduzir os custos de produção e ter maior lucratividade com a escolha dos touros melhoradores mais adequados aos diferentes sistemas de produção.  A Série Hora Melhoramento Genético tem como um dos objetivos facilitar sua escolha e garantir produtos de melhor qualidade. Nos acompanhe e interaja conosco, estamos aqui para responder suas dúvidas e colaborar com o desenvolvimento do Nelore no Brasil.

 


Melhoramento Genético - Genética Animal

A Embrapa afirma que “uma das maiores contribuições da Ciência para revolucionar a pecuária bovina brasileira foi a melhoria da genética do rebanho” (https://www.embrapa.br/qualidade-da-carne/carne-bovina/producao-de-carne-bovina/melhoramento-genetico).  O zebu acabou se tornando a base do rebanho brasileiro. Sabemos que a genética animal tem sido considerada pelo produtor rural, no momento de escolher um reprodutor. Queremos saber: O que é melhoramento genético para você? Qual a importância do melhoramento genético para o rebanho comercial?


Melhoramento Genético - Genética Animal II

O Melhoramento animal é a ciência que busca aumentar a frequência de alelos (variação especifica dos genes que definem as características)desejáveis em uma população ou rebanho. Para ser iniciadoum programa de melhoramento, é necessário haver variabilidade genética na população, quanto maior essa variabilidade maior será o progresso do programa.. O processo de seleção genética em um programa de melhoramento visa influenciar diretamente nos acasalamentos dos touros e vacas, otimizando-os para aumentar a frequência de alelos para as características de interesse econômico (reprodução, crescimento, carcaça, eficiência alimentar, entre outras).


Melhoramento Genético - Eficiência na Produção

Segundo a @embrapa, o melhoramento genético é um instrumento de grande importância para a pecuária de corte, através do qual os criadores podem aumentar a eficiência de produção e a lucratividade de seus rebanhos. Exemplo: se um rebanho tem vacas com pouca habilidade materna, deve-se utilizar touros com avaliação genética superior para habilidade maternal, o que vai resultar descendentes com habilidade materna superior à de suas mães. Ao se continuar selecionando animais com alta habilidade materna, as próximas gerações terão essa característica bem expressa no rebanho por causa do uso constante de animais de alto potencial genético para leite, aumentando a frequência gênica alelos no rebanho.


Melhoramento Genético - Monta Natural

 

A utilização de um touro melhorador no rebanho pode ser feita em três formas, utilizadas de forma isolada ou simultânea na propriedade: monta natural, inseminação artificial ou aliada à transferência de embriões. A monta natural não tem muitos segredos, consiste em apenas colocar os touros no pasto com a vacada, na melhor relação touro/vaca para o seu sistema de produção. Mas há também a monta natural controlada, onde a vaca é levada ao reprodutor para acasalamento programado. Esse touro deve ser selecionado visando melhorar determinadas características econômicas, sejam elas, reprodutivas, maternais, ganho em peso, peso, eficiência alimentar, entre outras.


Melhoramento Genético - Inseminação Artificial

Podemos também fazer uso da inseminação artificial (IA), na qual o sêmen do touro selecionado é depositado no aparelho reprodutor da fêmea. A IA pode ser feita mediante a observação de cio ou em tempo fixo (IATF). Esse trabalho de IATF é realizado por médicos veterinários e apresenta diversas vantagens em relação a monta natural e a IA convencional. Na HoRa, todo o trabalho de IATF é feito pela GeraEmbryo, sob os cuidados do @rubinho_gerambryo. Existem várias vantagens nisso. A primeira é a  sêmen de touros de alta qualidade genética, independentemente da propriedade já fazer um processo de seleção ou não. A segunda é que permite o uso de touros provados para as diversas características de reprodução, produção evitando por meio de acasalamentos genéticos otimizados, a consanguinidade econferindo maior variabilidade genética ao rebanho, além de permitir a programação da data da parição.  E você, produtor rural, tem feito uso da monta natural programada e/ou a inseminação artificial em sua propriedade?


Melhoramento Genético - Inseminação Artificial II

Na HoRa, é feita a Inseminação Artificial Por Tempo Fixo (IATF), com os procedimentos realizados pela GeraEmbryo em cerca de seis mil vacas. Em 1982, o pai de José Roberto Höfig Ramos, Dr. José Ramos da Silva, inovou na pecuária brasileira com a inseminação artificial, marcando época. A HoRa foi certamente uma das pioneiras de IATF no Brasil. Há cerca de 20 anos mantém parceria com o médico veterinário @rubinho_geraembryo e com o dr. Pietro Baruselli, da USP. Além da maior produção de bezerros, a IA também é utilizada na Fazenda Nossa Senhora de Fátima para testar o sêmen coletado dos touros selecionados na propriedade. Se fossem testados somente em monta natural, teriam um potencial de apenas 25 filhos/ano cada um.


Melhoramento Genético - Transferência de Embriões

Hoje vamos falar sobre Transferência de Embriões (TE). TE é um processo no qual se transfere embriões de uma matriz de alto valor genético, já testada para as principais características comerciais, para uma ou mais vacas receptoras. De modo geral, estimula-se a superovulação da doadora, que será inseminada e se obterão os embriões resultantes coletados e implantados nas receptoras. A vantagem é que, desta forma, uma fêmea, que naturalmente produziria apenas um bezerro por ano, pode produzir vários produtos anuais. É uma técnica que vem sendo conduzida por médicos veterinários que orientam e acompanham com zelo todo o processo.


Melhoramento Genético - Hora de escolher

Depois de conhecer cada uma das técnicas de reprodução, é hora de escolher o touro para avaliar produtividade do rebanho. Por isso, é preciso identificar quais as características do melhoramento genético que se deseja. Assim, o produtor pode analisar e buscar os melhores animais para, por exemplo, ganho de peso mais rápido; melhor acabamento; parto facilitado; entre outros.

 


Melhoramento Genético - Diferenças Esperadas nas Progênies

Ao escolher um touro ou sêmen, é fundamental considerar os fatores que podem vir a interferir no rebanho. Por isso, vamos começar a falar sobre DEPs para que possamos aprofundar nosso conhecimento. Hoje, além da avaliação visual e pedigree, há tecnologias desenvolvidas que são essenciais e que colaboram no trabalho de melhoramento genético. A régua de DEPs (Diferenças Esperadas na Progênie) avalia a qualidade do animal como reprodutor e é ferramenta indispensável no melhoramento genético do Nelore.


Melhoramento Genético - DEPs

A régua de DEPs mostra a predição do que esperar da produção da progênie do touro escolhido. Ela dá segurança na hora de selecionar o animal para o seu rebanho, com a garantia de lhe proporcionar o resultado que você, pecuarista e produtor busca: lucratividade e eficiência no rebanho. Todos os reprodutores em centrais têm réguas de DEPs e foram selecionados  por se destacarem entre os demais animais da safra.


Melhoramento Genético - Potencial Genético

Com a utilização das das DEPs, a identificação e utilização do touro melhorador do rebanho fica mais garantida, porque o potencial genético resultante será proporcional à qualidade desse reprodutor.  Hoje, todos os reprodutores em centrais de coleta e venda de sêmen têm réguas de DEPs e é fundamental conhecer e definir com acurácia o desempenho produtivo que está buscando para o seu rebanho.


Melhoramento Genético – Programa de Melhoramento

 As DEPs (Diferença Esperada de Progênie) devem ser usadas como ferramentas de avaliação da pecuária de corte e trouxeram verdadeira democratização no mercado de touros avaliados, pois possibilitaram o produtor buscar melhoria efetiva do rebanho ajudando-o na tomada de decisão, à medida que possibilitam compreender o valor genético dos animais. Existem diferentes programas de melhoramento genético no Brasil. A HoRa participa de dois, o PMGZ da ABCZ (Associação Brasileira de Criadores de Zebuínos) @abcz.pmgz e o da ANCP (Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores) @ ancpgenetica. Participar desses programas é fundamental pois pode-se avaliar rigorosamente e com critérios aquilo que se produz na Fazenda Nossa Senhora de Fátima com o Nelore. Os melhores criatórios têm trabalhado em parceria com esses programas a fim de avaliarem seus  reprodutores e matrizes, oferecendo-os a seus clientes, através de trabalho de confiança no melhoramento genético.

 


Melhoramento Genético - Interesse Econômico

Cada DEPs representa predições sobre uma característica de interesse econômico e indica o que é possível esperar da progênie desses animais sob  determinados aspectos, principalmente naqueles que trazem mais retorno financeiro, como precocidade sexual, área de olho de lombo (AOL), acabamento de carcaça e ganho de peso, ajudando o produtor a compreender os animais que  possue para a reproduçãono rebanho Porém, todas essas características dependem de outras , que vão formar o melhor conjunto do animal e que pode ser  medido através do Mérito Genético Total, índice que harmoniza as DEPs de diversas características de interesse econômico.  A avaliação funcional também é importante complemento, pois observa se os animais possuem boa conformação,  musculosidade e aprumos corretos para suportar o peso, por exemplo. Por isso é importante observarmos o animal como um todo, mas o que se deve priorizar num animal depende do que o produtor busca para seu rebanho, pois todas as características em conjunto acabam sendo importantes. Qual característica você, pecuarista, tem buscado fortalecer? Na HoRa, além do rendimento de carcaça e peso, buscamos precocidade sexual e eficiência alimentar, duas características que reduzem custos.   


Melhoramento Genético - Interesse Econômico II

Precocidade sexual é uma das características importantes para Hora, por isso DEPs para relaciodas à essa precocidade sexual são analisadas cuidadosamente em cada animal. Os estudos e as práticas na HoRa têm sido comprovados com resultados. Pelo 3º. ano consecutivo, estamos fazendo a avaliação de precocidade sexual nos machos. Até agora, os números demonstram que 46,9% da safra de animais 2017/2018 estão produzindo sêmen precocemente. Um dos tourinhos avaliados apresentou a menor idade de puberdade dentro do rebanho, com 9,7 meses de idade. Machos CEIP estão sendo avaliados, em um trabalho pioneiro. A avaliação de precocidade dos machos é conduzida pela ProCriar em parceria com o grupo de estudos GERA-MS da UFMS.


Melhoramento Genético - Programas de Avaliação Genética

Na Associação Brasileira de Criadores de Zebu (ABCZ), os dados obtidos pelo Programa de Melhoramento Genético de Zebuínos (PMGZ) são fontes para geração das avaliações genéticas de animais jovens e adultos e disponibilizam ao mercado informações genéticas consistentes que atestam as performances dos rebanhos inscritos. Este programa possui várias parcerias técnicas científicas com instituições de pesquisa. Os melhores animais são agrupados no modelo DECA, que vai de 1 a 10. A elite é classificada de DECA 1. Há também o índice iABCZ, que indica a posição (classe) do animal para determinada DEP e para o próprio índice, em relação ao total de animais avaliados. Sendo assim se um animal tem percentil igual a 2% para DEP PS-ED, significa que, para a DEP de peso ao sobreano, ele está entre os 2% melhores animais para esta característica. No PMGZ, os 5G da HoRa (os reprodutores Gatilho, Gênio, Godzilla, Gold e Guerreiro) são todos DECA 1.  


Melhoramento Genético - Programas de Avaliação Genética II

A Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores (ANCP), apresenta desde 2011  o Programa Nelore Brasil que disponibilizou  as DEPs Genômicas, através da incorporação dos marcadores moleculares. Foi o primeiro programa no Brasil a utilizar dados moleculares na Avaliação Genética de Características Produtivas. A HoRa foi uma das primeiras fazendas a adotar essa importante inovação. Outra inovação da ANCP adotada pela HoRa foi o índice bioeconômico, Mérito Genético Total Econômico (MGTe), programa pioneiro no país em utilizar um índice econômico de seleção que engloba DEPs estratégicas.  Quanto maior o MGTe, melhor poderá ser o desempenho na lucratividade do touro e melhor a valorização na venda, e quanto menor o percentil TOP desse  MGTe, melhor no conjunto. Assim, um touro como o GOLD DA HORA é considerado excepcional porque apresenta um MGTe 35,72 TOP 0,1%. Cada vez mais os criadores têm buscado touros com MGTe alto, garantindo assim a melhoria do rebanho.

 


Melhoramento Genético - Índices dos Animais na Propriedade

Os criadores que fazem seleção também podem criar sua própria régua de DEPs priorizando as características que mais precisam desenvolver no rebanho. A ANCP dispõe o MGC – Mérito Genético do Criador, que possibilita criar um índice com características adequadas para cada fazenda. No PMGZ, através CDP (Controle de Desenvolvimento Ponderal) dos animais, o criador também pode “montar” sua régua de DEPs com as características que lhe interessam. Na HoRa optamos por priorizar o MGTe e iABCZ, porque são onde estão as características mais importantes. Em nossa fazenda também levamos em consideração Eficiência Alimentar (através do CAR), Precocidade Sexual de Machos e Fêmeas, ganho em peso e Qualidade de Carcaça que consta área de olho de lombo (AOL), acabamento (ACAB) e marmoreio (MAR). Assim, acompanhamos a produção de genética multiqualificada no rebanho HoRa.


Melhoramento Genético - Avaliação de Características

As DEPs são individuais para cada característica de interesse econômico, sejam elas de crescimento, reprodução, carcaça, qualidade da carne ou de eficiência alimentar. Das mais comumente utilizadas pelos criadores, podemos destacar as . DEPs para  escrotal (PE), probabilidade de prenhez aos 14 meses (PP14),  probabilidade de parto precoce (3P), habilidade maternal (MP120 e MP210), crescimento pré-desmame (P120 e P210), pós-desmame (P365 e P450), longevidade das fêmeas no rebanho – Stayability (Stay),   peso da carcaça quente (PCQ), peso da porção comestível (PPC), precocidade ao sobreano (PS), musculosidade ao sobreano (MS), idade à puberdade de machos (IPM), consumo alimentar residual (CAR) e ingestão de matéria seca (IMS), entre outras.  As  DEPs Genômicas (DEPG) permitem um aumento da acurácia na predição das DEPs tradicionais, permitindo mais confiança na tomada de decisão.. As DEPS buscam estimar o real potencial genético dos animais que estão sendo avaliados. Na HoRa, todos os animais comercializados são genotipados e vão para seus novos proprietários com as DEPGs, sinônimo de confiança e tranquilidade na utilização de reprodutores.


Melhoramento Genético - DEP Genômica

As DEPs Genômicas (DEPG) são suportadas por milhares de marcadores moleculares de DNA, o que proporciona um incremento de acurácia muito maior na avaliação genética, como é rotina na HoRa. Dessa forma, se você é criador fazendo muita genotipagem e fenotipagem, está medindo todos os dados em todas as características. A avaliação genômica de um único passo permite que se aproveite a precisão disso imediatamente. A avaliação genética Single-Step – SSGBLUP destina-se a substituir o que é atualmente e geralmente um processo de múltiplos passos, usado para incorporar informações genômicas no cálculo das DEPs (diferenças esperadas na progênie). Com o SSGBLUP, a DEP genômica está disponível também para animais não genotipados, que tenham parentes com genótipo.  As abordagens de um único passo incorporam todas as informações de pedigree, genótipos e fenótipos disponíveis de ambos os animais, genotípicos e não genotípicos para uma avaliação única simultânea.


Melhoramento Genético - DEP Genômica II

A seleção com genômica viabiliza avaliações de características de difícil mensuração. Ter todo o rebanho genotipado, como a HoRa faz, permite maior confiabilidade nos dados do animal e pode antecipar a tomada de decisões. Veja o vídeo com o dr. Cláudio Magnabosco, pesquisador da Embrapa Cerrados, que explica sobre isso.


Melhoramento Genético - Incremento da Lucratividade

Agora que sabemos a importância da régua de DEPs, na hora de selecionar o touro melhorador é preciso levar em consideração quais aspectos do rebanho necessitam receber mais atenção, ver qual característica é mais adequada para ser introduzida, incrementando a lucratividade. E escolher certo. Mas é preciso ter em mente também como é o trabalho que realiza: em ciclo curto ou completo. Além disso, é bom observar o sistema de criação utilizado na produção, priorizando reprodutores criados em sistema semelhante, por exemplo, na criação a pasto. 


Melhoramento Genético -DEPS de Peso e Carcaça

A grande maioria dos produtores escolhe animais baseados principalmente em DEPS de peso e carcaça, que trazem bons resultados. Mas também há outras, principalmente relacionadas à reprodução, que podem ser trabalhadas para dar mais lucratividade, especialmente quando relacionando as de acabamento de carcaça com a precocidade sexual. No entanto, é preciso bom senso e conhecimento. Se o objetivo do produtor são fêmeas precoces, mas não se descarta vacas tardias, o rebanho fica na média e não evolui. Por exemplo, caso o animal tenha uma excelente conformação de carcaça, mas não é pesado, não há peso de abate. Ou seja: não se obtém mais lucro por animal. Então, é preciso destacar a importância de um conjunto de características e, ao mesmo tempo, a importância da seleção e do descarte. Nosso objetivo, com a Série Melhoramento Genético HoRa, é orientar e colaborar com a informação para tomada de decisão do produtor.


Melhoramento Genético - Stayability

A longevidade produtiva das fêmeas no rebanho, parindo pelo menos três bezerros até os 76 meses, é avaliada pela DEP Stay (Stayability).  A seleção de vacas com maior vida útil vem ganhando espaço cada vez maior entre pesquisas recentes porque garante uma lucratividade maior ao rebanho, já que ela se paga produzindo. A escolha das melhores DEPs dos touros para essa característica é a melhor opção para obter matrizes com maior capacidade de permanência no rebanho. Veja a explicação do dr. Cláudio Magnabosco, pesquisador da Embrapa Cerrados.


Melhoramento Genético - Eficiência Alimentar

Eficiência Alimentar é uma das características econômicas que mais vem sendo procurada pelos produtores de carne. Os animais mais eficientes consomem menos alimento. Produzir mais com menos custos significa maior rentabilidade final para o pecuarista. Eficiência é exigência em qualquer sistema produtivo. Por isso, em meados de 2018, a HoRa instalou o sistema @intergado na fazenda Nossa Senhora de Fátima, em Brasilândia (MS), e começou a fazer avaliações de Consumo Alimentar Residual (CAR) em seu rebanho PO e CEIP. Indivíduos mais eficientes (baixo CAR) apresentam consumo de matéria seca menor quando comparados aos animais menos eficientes (alto CAR). Os dados são trabalhados conjuntamente  aos programas de melhoramento genético da ANCP, buscando melhorar a magnitude e a acurácia de DEPs como CAR e IMS (ingestão de matéria seca).mo CAR e IMS (ingestão de matéria seca).


Melhoramento Genético - Eficiência Alimentar II

Diferente da conversão alimentar, que é a mais usada atualmente, o CAR trata da diferença do consumo da matéria seca estimada -  que é aquilo que se prediz que  que o animal vai consumir -  e o observado, que é o que realmente o animal está consumindo. Isso em função do peso vivo médio metabólico e ganho de peso. O grupo de animais avaliados tem que ser o mais semelhante possível, mesmo sexo e contemporâneos, que venham de uma mesma alimentação e mesma época de desmame. Isso permite um resultado mais confiável para identificar os animais mais eficientes. Quanto mais esses animais foram próximos, mais acurado o resultado. Implantar o sistema @intergado na HoRa veio complementar  o projeto de seleção genética que vem sendo desenvolvido, direcionando animais desde o acasalamento genético até a preocupação com a qualidade de carne do animal abatido.


Melhoramento Genético - Ultrassonografia de Carcaça

A ultrassonografia de carcaça é um dos métodos que auxiliam na avaliação de ganho de peso, completam a informação para que se possa entender como está sendo constituído  esse ganho: em carcaça ou tamanho. Infelizmente, ainda é pouco usada na maioria dos rebanhos. Ainda hoje, o mais comum é realizar o abate do animal para avaliar como anda a conformação, área de olho de lombo e acabamento. Com as imagens do ultrassom, se consegue as mesmas informações sem o abate. Veja o que o dr. Fabiano Araújo, da Aval, tem a dizer sobre a US de Carcaça.


Melhoramento Genético - Avaliação Interna

A avaliação interna – também chamada de intra-rebanho – é extremamente necessária para manter um rebanho de qualidade comprovada. Na HoRa, são feitas as pesagens tradicionais aos 120 dias, 210 dias (desmama) e aos 365 dias, tanto em machos quanto em fêmeas.  Periodicamente são feitas avaliações completas, descartando o número de animais que não atendem aos requisitos – ganho de peso, peso requerido na data e avaliação visual e funcional através de metodologia MERCOS que contempla : – musculatura, estrutura, racial, conformação, ônfalo (umbigo) e aspectos sexuais. São analisados desenvolvimento total do animal e avaliação genética baseada na avaliação genômica, classificando os animais em categorias Elite, Superior, Comum ou Inferior. A categoria inferior vai direto para o descarte. A comum ganha mais uma chance, mas, se não corresponder, é descartada também. Com isso, a HoRa só mantém animais superiores e elite em seu rebanho.


Melhoramento Genético - Precoces e superprecoces

Animais podem ser superprecoce, precoce ou tradicional. O uso das ferramentas corretas de seleção pode identificar animais que apresentam impacto diretamente no progresso genético, pois é uma característica herdável e, por isso, seus descendentes, machos e fêmeas, possuem maior probabilidade de transmitirem as características de precocidade sexual, melhorando a eficiência reprodutiva e econômica do rebanho.
Um dos objetivos da HoRa é ter rebanho Nelore cada vez mais precoce, para atender seus clientes, que receberão produtos que garantirão lucratividade na produção. Há três anos, a HoRa vem fazendo avaliação de precocidade em cada safra do todo rebanho PO. Este ano, os machos CEIP também foram avaliados. Veja o que diz a responsável pela avaliação de precocidade, a veterinária Fernanda Barbosa, da ProCriar


Melhoramento Genético - Integrando Tecnologias

O uso integrado de tecnologias é ferramenta indispensável para o melhoramento genético do Nelore porque permite avaliações dos animais de forma mais acurada e garante excelência na produtividade. É importante que, na hora de escolher os animais para seu rebanho, o produtor saiba identificar as fazendas que utilizam tecnologias no seu dia a dia dedicadas ao melhoramento genético. A HoRa vem utilizando as principais tecnologias para manter a alta qualidade genética. Veja o que diz o zootecnista da HoRa Adriano Crozara, que acompanha de perto as avaliações de Eficiência Alimentar e ganho de peso na Fazenda Nossa Senhora de Fátima.


Melhoramento Genético - Centrais de Sêmen

Depois de conhecer um pouco mais sobre Melhoramento Genético, é interessante que o produtor busque saber também sobre as Centrais de Vendas de Sêmen, as Centrais de Inseminação Artificial, que podem ajudar a escolher os melhores touros para cada sistema de produção.. Existem várias Centrais no Brasil, com dezenas de reprodutores que foram identificados e selecionados pelo alto valor genético e características de produtividade e reprodução. Com eles, a possibilidade de erro é minimizada. Atualmente, a HoRa é parceira de três centrais de tecnologia de sêmen e genética de qualidade: AGBrasil , Alta Genetics e CRV Lagoa, com touros em cada uma delas. Os 5G da Hora, os touros Gatilho, Gênio, Godzilla, Gold e Guerreiro da HoRa já estão com sêmen disponíveis nas referidas Centrais.
 


Melhoramento Genético - Padrões de Produtividade

Na HoRa, as DEPs, principalmente as genômicas, são como um roteiro para que cada acasalamento resulte em animais com o mais alto padrão funcional para produção e alto valor genético. Isso é necessário para que tenhamos animais cada vez melhores no nosso rebanho, a cada geração. Trabalhamos com fêmeas e machos precoces. Desafiamos fêmeas para reprodução antes dos 14 meses de idade. E com os machos, já fazemos a coleta e análise de sêmen logo que desmamados. Outra prática muito utilizada na HoRa é o descarte de animais que não atingem padrões mínimos de produtividade, independentemente de sua linhagem. Assim, vamos melhorando a cada dia. E você, criador? Está pronto para encarar esse desafio de fazer seu rebanho cada dia melhor?